ESTIMAÇÃO DE ÁREA BASAL, VOLUME E BIOMASSA AÉREA NA CAATINGA DO SERGIPE COM BASE EM DADOS DO SENSOR MSI DO SENTINEL-2

Nome: Márcia Rodrigues de Moura Fernandes
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 26/10/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Gilson Fernandes da Silva Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adriano Ribeiro de Mendonça Examinador Interno
André Quintão da Almeida Coorientador
Daniel Henrique Breda Binoti Examinador Externo
Fabio Guimarães Gonçalves Examinador Externo
Gilson Fernandes da Silva Orientador

Resumo: O objetivo deste estudo foi desenvolver e testar técnicas de estimação de área basal, volume de madeira e biomassa aérea da vegetação de Caatinga hiperxerófila densa no alto sertão sergipano com base em dados do sensor MSI/Sentinel-2. Para alcançar este objetivo, foram mensuradas as variáveis dendrométricas: o diâmetro à altura de 1,30 m do solo (DAP) e a altura total (H), obtidas por meio de amostragem sistemática, com parcelas de área fixa quadradas de 30 m x 30 m (900 m2), totalizando 40 parcelas. As variáveis independentes foram extraídas das bandas espectrais nas janelas espectrais 3 x 3, 5 x 5, 7 x 7 e 9 x 9 pixels, e calculadas a razão entre bandas, índices de vegetação, imagem-fração vegetação e métricas de textura com base na matriz de co-ocorrência. As variáveis extraídas do Sentinel-2 foram examinadas quanto à sua acurácia na estimação das variáveis área basal (m2), volume de madeira (m3) e biomassa aérea (Mg) com o uso da análise de regressão linear múltipla (RLM) e Redes Neurais Artificiais (RNA). As estatísticas coeficiente de determinação (R2), raiz quadrada do erro médio (RQME e RQME%) e o viés (V%), foram utilizadas na avaliação das estimativas geradas pelos modelos. Os resultados deste estudo demonstraram que as estimativas derivadas com métricas de textura, calculadas nos tamanhos de janela 5 x 5 e 7 x 7 pixels, foram mais acuradas. As melhores estatísticas foram na estimação da área basal que apresentou um R2 = 0,9591, RQME = 0,63 m2 ha-1 (10,19%) e Viés = -0,39% na validação da RLM; e R2 = 0,9782, RQME = 0,68 m2 ha-1 (10,85%) e Viés = -0,80% na validação da RNA. Ao final, concluiu-se que o uso de variáveis independentes oriundas do sensor MSI na análise da RLM e RNA para estimar área basal, volume de madeira e biomassa aérea apresentou-se como um método eficaz e acurado, ressaltando-se a importância da textura da imagem na predição dessas variáveis na área estudada.
Palavras-chave: Semiárido; Mensuração; Sensoriamento Remoto; REDD++; ODS.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910