ESTIMAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DENDROMÉTRICAS PARA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL SUBMONTANA COM O USO DE DADOS OLI E SRTM

Nome: Anny Francielly Ataide Gonçalves
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 20/02/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Gilson Fernandes da Silva Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adriano Ribeiro de Mendonça Examinador Interno
André Quintão da Almeida Coorientador
Daniel Henrique Breda Binoti Examinador Externo
Gilson Fernandes da Silva Orientador

Resumo: A política florestal do Brasil prevê que todos os estados da federação deverão atualizar o inventário florestal. Atrelado a isso, faz-se necessário a utilização de técnicas, como o sensoriamento remoto, que possibilitam obter informações precisas e a redução de custos no desenvolvimento dessa atividade. Objetivou-se, nesse estudo, avaliar o uso de informações espectrais do sensor OLI Landsat 8 e dados SRTM em equações para estimação das variáveis área basal e volume de madeira para um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Submontana pertencente à Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Cafundó, localizada no munícipio de Cachoeiro do Itapemirim, ES. Foi realizado o inventário florestal em 25 parcelas de 1.000m² (20 m x 50 m) e obtido as estimativas de área basal e volume de madeira com casca por meio de equações alométricas. Posteriormente, estas estimativas foram relacionadas com as variáveis provenientes do sensoriamento remoto, por meio da análise de regressão. Na análise da regressão, as variáveis dependentes foram a área basal e volume de madeira com casca, e as variáveis explicativas foram as bandas espectrais do sensor OLI, a razão entre bandas, índices de vegetação e características do relevo extraídas do SRTM, testadas para diferentes janelas espectrais. A técnica de seleção de variáveis explicativas utilizada foi a de busca exaustiva e a avaliação estatística da regressão fez uso do , RMSE (%), a dispersão dos resíduos e o emprego da técnica de validação cruzada Leave-one-out ( e RMSEcv). Para as variáveis estudadas, observou-se que a janela espectral 3 x 3 pixels foi a mais relacionada com os dados de área basal e volume de madeira, e que as variáveis do relevo extraídas do SRTM apresentaram bom desempenho quando combinadas com as variáveis espectrais do sensor OLI. Para a área basal, a equação que melhor ajustou aos dados apresentou de 0,6554, de 0,6244, RMSE (%) de 14,53% e RMSEcv (%) de 18,15%. Já em relação ao volume de madeira, a equação apresentou de 0,6039, de 0,5380, RMSE (%) de 23,03% e RMSEcv (%) 30,30%. A estimativa da área basal e volume de madeira para o fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Submontana mediante o uso de dados espectrais apresentou resultados satisfatórios, ressaltando-se a importância da topografia na predição dessas variáveis na área estudada.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910