Identificando espécies vegetais na estruturação funcional de comunidades florestais

Resumo: Os sistemas biológicos no ambiente florestal não se resumem apenas na mera presença dos organismos, pois o seu funcionamento depende também dos tipos e das combinações entre os organismos presentes. Portanto, a biodiversidade possui três componentes fundamentais através dos quais pode ser aferida: a composição, a estrutura e a função. A composição diz respeito a que elementos consistem na unidade biológica; a estrutura, como se organizam fisicamente, e a função versa sobre que processos ecológicos ou evolutivos que mantém ou são produzidos pela unidade biológica considerada. Assim, a biodiversidade abarca os processos que geram e mantêm as espécies, a variabilidade genética, a diversidade de populações e comunidades, a multiplicidade de ecossistemas e paisagens, distribuídos em gradientes ambientais, bem como todas suas relações com o meio físico e entre si. Levando em conta que estudos dessa natureza complexa no ambiente florestal heterogêneo são escassos no Brasil, e que os resultados oriundos desta pesquisa fornecerão subsídios para trabalhos posteriores relacionados à regeneração e resiliência dos ecossistemas, a taxonomia e conservação das espécies estudadas, bem como para o reflorestamento de áreas degradadas e conexão de fragmentos florestais remanescentes, este projeto tem como objetivo central a avaliação da dinâmica estrutural e funcional de espécies de leguminosas e não leguminosas acerca do ciclo de nutrientes, biomassa aérea e carbono acumulado, bem como sobre a eficiência no uso desses nutrientes e água a partir de espécies chaves dos grupos investigados, além do papel delas na regeneração natural da sucessão florestal, buscando por fim avaliar também a diversidade genética intrapopulacional e a propagação vegetativa, por produtividade de minicepas e enraizamento de miniestacas, sob diferentes condições nutricionais, de duas espécies arbóreas pré-selecionadas (leguminosa e não leguminosa), em um fragmento de floresta sazonalmente seca com diferentes históricos de uso do solo, no Sul do Estado do Espírito Santo. Para isso, serão utilizadas espécies com potencial tanto para a produção de madeira quanto para ocupar áreas degradadas com fins de recuperação, tendo grande capacidade de desenvolvimento e adaptação, já que é escasso o conhecimento a respeito de sua diversidade genética e funcional para possíveis programas de melhoramento, bem como em plataformas de recuperação florestal.

Data de início: 2019-01-08
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Doutorado Adelson Lemes da Silva Júnior
Aluno Doutorado Naiara Machado Neves
Coordenador Marcos Vinicius Winckler Caldeira
Pesquisador Elzimar de Oliveira Gonçalves
Pesquisador Sustanis Horn Kunz

Páginas

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910