PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ESPÉCIES FLORESTAIS DA MATA ATLÂNTICA

Nome: Bruna Tomaz Sant Ana
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 24/05/2021
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Elzimar de Oliveira Gonçalves Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Deborah Guerra Barroso Examinador Externo
Elzimar de Oliveira Gonçalves Orientador
Fabiana Schmidt Bandeira Peres Examinador Externo
Marcos Vinicius Winckler Caldeira Coorientador
Miranda Titon Examinador Externo

Resumo: A propagação vegetativa tem potencial para ser utilizada em espécies florestais nativas, principalmente para aquelas que apresentam dificuldades na propagação por sementes, podendo ser utilizadas para fins comerciais, bem como auxiliar no resgate e conservação de recursos genéticos florestais. O objetivo deste estudo foi estudar a propagação vegetativa de três espécies
florestais nativas da Mata Atlântica. Os experimentos foram realizados no
Viveiro Florestal do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira do
Centro de Ciências Agrárias e Engenharias pertencente à Universidade Federal do Espírito Santo, município de Jerônimo Monteiro-ES. A tese foi estruturada em três capítulos. No capítulo 1, estudou-se a miniestaquia para a espécie de Cariniana legalis, avaliando a influencia das doses de nitrogênio na produtividade das minicepas e no enraizamento de miniestacas. Para isso,
foram testadas cinco doses de nitrogênio (0, 50, 100, 200 e 400 mg L-1) nas
minicepas, com cinco repetições, em delineamento inteiramente casualizado.
Para o enraizamento, foi adotado o delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2x 5, ou seja, dois tipos de miniestacas (apical e
intermediária) e cinco doses de N das minicepas (0, 50, 100, 200 e 400 mg L-1). A aplicação da dose 200 mg L-1 de N teve influência no enraizamento do jequitibá-rosa pela miniestaquia. No capítulo 2, a espécie estudada foi a
Paratecoma peroba, onde se avaliou a resposta da produção de brotações
viáveis de miniestacas submetendo as minicepas de dois anos de idade a dois fatores: poda e fertilizante de liberação controlada. O experimento foi
conduzido em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 5, com três alturas de poda x cinco doses de fertilizante de liberação
controlada (0, 2; 4; 6 e 8 kg m-3). A indução das brotações por meio da poda foi eficiente para o revigoramento das minicepas sendo produzida maiorquantidade de brotos quando submetidas à poda na altura de 20 cm,
recomendando-se a altura de 20 cm para a produção e enraizamento de
miniestacas de Paratecoma peroba. No capitulo 3 estudou-se a propagação
vegetativa da espécie Lecythis pisonis. Para isto, avaliou-se a influência da
idade das diferentes coletas das mudas (30, 60 e 90 dias) no enraizamento de miniestacas provenientes do ápice das mudas. , e a maior porcentagem foi obtida em miniestacas provenientes de mudas podadas aos 30 dias. A
presença de bainha diferenciada na periderme, possivelmente constitui uma
barreira anatômica em Lecythis pisonis.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910