MEDIDAS PROFILÁTICAS PARA PROTEGER MADEIRAS À AÇÃO DE INSETOS XILÓFAGOS

Nome: Joyce de Almeida Pinto
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 30/04/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Graziela Baptista Vidaurre Co-orientador
Juarez Benigno Paes Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Acacio Geraldo de Carvalho Examinador Externo
João Gabriel Missia da Silva Examinador Externo
Juarez Benigno Paes Orientador
Ulysses Rodrigues Vianna Coorientador
Yonny Martínez López Examinador Externo

Resumo: A Ordem Coleoptera, pertencente à Classe Insecta, possui grande destaque no meio florestal. No entanto, há a necessidade de estudos que relatem os coleópteros que comumente atacam as madeiras processadas em diversos ambientes, bem como sua preferência em relação à espécie madeireira. Logo, objetivou-se diagnosticar as espécies de coleópteros que atacam a madeira de mogno africano (Khaya ivorensis, K. senegalensis e K. grandifoliola), cedro australiano (Toona ciliata) eucalipto (Eucalyptus grandis x E. urophylla) e verificar o efeito da modificação térmica na cor da madeira de mogno africano (Khaya ivorensis), e eucalipto (Eucalyptus grandis x E. urophylla) exposta a intempéries em ambientes do estado do Espírito Santo e indicar medidas profiláticas e de controle mais eficientes. Foram amostrados quatro toretes com 50 cm de comprimento ao longo da árvore de todas as espécies selecionadas, e serrados em amostras de acordo com os ensaios e testes a que
foram submetidos. Para o ensaio de campo os toretes foram serrados em pequenas tábuas, e receberam tratamentos que consistiram em amostras sem tratamento (controle); tratamento químico (ácido bórico e bórax) e modificação térmica (180 e 200 ºC). Após aplicação dos tratamentos as tábuas foram alocadas a céu aberto e em local coberto, em cada local escolhido. O experimento foi conduzido por um período de um ano (2018-2019), sendo avaliado mensalmente, por meio da coleta dos insetos presentes nas madeiras e colorimetria. Os tratamentos térmicos e químicos foram eficientes em aumentar a resistência das madeiras a insetos xilófagos. Há grande variação na coloração da madeira exposta a intempéries, sobretudo nos primeiros meses de exposição.

Palavras-chave: Qualidade da madeira. Colorimetria. Coleobrocas. Hábitos e
incidência. Medidas profiláticas.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910