Laboratórios

O PPGCFL está sediado no Departamento de Ciências Florestais e da Madeira (DCFM), situado no município de Jerônimo Monteiro, ES, e conta com toda sua infra-estrutura física que inclui salas de aula, gabinetes, laboratórios, área experimental e salas administrativas. Além disso, conta com outros laboratórios multi-usuários situados no Campus do município de Alegre e áreas experimentais em Rive e São José do Calçado.

LABORATÓRIOS DO DCFM, NO MUNICÍPIO DE JERÔNIMO MONTEIRO

Estes laboratórios estão diretamente ligados ás atividades do PPGCFL, sendo a base de funcionamento da maior parte das pesquisas desenvolvidas pelos mestrandos/doutorandos e pelos graduandos de iniciação científica.

1) ÁREA EXPERIMENTAL
Coordenador: Prof. D.Sc. Rafael Marian Callegaro
Descrição: O Departamento de Ciências Florestais e da Madeira possui uma Estação Experimental no município de Jerônimo Monteiro com área total de 5,5 hectares. A área está localizada no Km 53 da Rodovia BR 482 (Cachoeiro/Alegre). O terreno foi adquirido pela Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro (PMJM) e doado para a UFES em uma sólida Parceria Institucional no ano de 2010. Na área foi realizada a limpeza inicial, terraplanagem das estradas e locais das construções, alambrado, estrada de acesso e circulação, calçamento de parte do acesso e canalização e distribuição de pontos para irrigação, iluminação e distribuição da rede elétrica. Nesta área já existe instalado um Galpão de produção e beneficiamento de sementes florestais, uma casa de sombra e canteiros a pleno sol para experimentos em produção de mudas vinculados a graduação em Engenharia Florestal e à Pós-Graduação em Ciências Florestais. Possui ainda área destinada a experimentos temporários associados à Pós-Graduação em Ciências Florestais. Também possui um arboreto com 80 diferentes espécies florestais (8 repetições de cada), diversos talhões demonstrativos com várias espécies florestais plantadas tais como: mogno, angico vermelho, jatobá, teca, cedro, cedro australiano, mogno africano, sapucaia, sucupira, jequitibá rosa, Pinus caribaea, eucalipto clonal e eucalipto seminal, Pau-Brasil e jacarandá caviúna. O objetivo dessa área é criar o primeiro parque científico municipal, uma parceria da UFES com a Prefeitura de Jerônimo Monteiro.

Equipamentos: Para essa área já está sendo pleiteada a implantação de uma Unidade de Referencia em produção de mudas florestais, com estruturas para um viveiro de pesquisa e de produção, a ainda área para suporte, como salas de aula, laboratório, salas de estagiários, banheiros e guarita. Num futuro próximo será construída trilhas de caminhadas nas áreas do arboreto e talhões, para uso da comunidade em atividades de lazer, bem como atividades educacionais das escolas da região.

2) LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA E ECOFISIOLOGIA FLORESTAL

Coordenadores: Prof. D.Sc. José Eduardo Macedo Pezzopane
Descrição: Conta com amplo espaço para o desenvolvimento de atividades relacionadas ao ensino, pesquisa e extensão, atendendo ao curso de graduação em Engenharia Florestal e áreas afins, além dos cursos de Pós-Graduação em Ciências Florestais e em Produção Vegetal da UFES. O laboratório também apoia o desenvolvimento de pesquisas de outras instituições de ensino.Estão sendo instaladas câmaras climatizadas (fitotron), adquiridas em parceira com a AngloFerrous S.A., que possuem controle computadorizado de temperatura e umidade do ar, disponibilidade de intensidade de fluxo de fótons e CO2, permitindo a simulação de diferentes condições climáticas.As casas de vegetação, adquiridas em parceria com a Vale S.A., foram construídas com placas de policarbonato, sendo compostas por duas unidades com controle climatizado. Como o laboratório ainda está em fase de consolidação, no interior das casas de vegetação estão sendo instaladas estufas de topo aberto para injeção de CO2. Com esta estrutura será possível desenvolver estudos sobre efeitos das mudanças climáticas na fisiologia e anatomia das plantas, por meio da simulação de futuras condições atmosféricas que poderão existir na Terra. Os recursos para a compra de equipamentos, em um montante de aproximadamente R$ 1.500.000,00, foram aprovados pela FINEP/Pro-Infra, Vale S.A. e Anglo Ferrous S.A., sendo que serão adquiridos: medidores de área foliar (novas aquisições de material já existente), analisadores de gases CO2 e H2O, bomba de Scholander, sistemas medidores de radiação luminosa (novas aquisições de material já existente), analisador ótico de dossel (novas aquisições de material já existente), medidores de fotossíntese (novas aquisições de material já existente), medidores de temperatura de superfície por infravermelho, sistema de monitoramento climático (novas aquisições de material já existente), câmera infravermelho, sistema de monitoramento da umidade do solo para campo e laboratório (novas aquisições de material já existente), medidor de fluorescência por imagem, analisador elementar CHNS-O, analisador termogravimétrico, respirômetro e freezer -80ºC. O Laboratório já conta com diversos equipamentos adquiridos com recursos do CNPq, Ministério do Meio Ambiente e FAPES.
Equipamentos: As instalações estão em vias de serem consolidadas, mas a infraestrutura física do laboratório reunirá um conjunto de câmaras climatizadas de alta precisão, casas de vegetação climatizadas, laboratório de ensaios hidrometeorológicos; estações climáticas automáticas, medidores de nível, medidores de umidade do solo tipo TDR, IRGA, analisador de dossel, medidor de área foliar, medidores diversos para elementos meteorológicos, estufas e balanças.

3) LABORATÓRIO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FLORESTAL

Coordenador: Prof. D. Sc. José Franklim Chichorro, Prof. D. Sc. Wendel Sandro de Paula Andrade; Prof. D. Sc. Clóvis Eduardo Nunes Hegedus
Descrição: O Laboratório de Economia e Administração (LEAD) está inserido no contexto de planejamento e avaliação da implantação e produção florestal e da industrialização de madeira e seus derivados, servindo de suporte à pesquisa tecnológica, ao desenvolvimento de produtos economicamente viáveis, apoio à capacitação de alunos da graduação e pós-graduação. Atua, ainda, no desenvolvimento regional, apoiando os produtores rurais, as empresas produtoras de celulose e papel, as empresas moveleiras, as serrarias e as demais empresas envolvidas com a exploração de produtos de origem florestal, madeireiros e não-madeireiros e outras atividades do agronegócio existentes no Estado do Espírito Santo. Cabe ressaltar que, embora com prioridade regional, as ações do LEAD não se restringem a esse estado.Objetivos do laboratório: Realizar análises econômicas dos setores florestal, madeireiro e do agronegócio;Avaliar práticas gerenciais e promover o desenvolvimento humano;Aplicar a gestão produtiva em áreas como: arranjo físico e logística;Estudar as estratégias gerais e dos negócios florestais e madeireiros;Desenvolver e aplicar prática de emprendedorismo; Analisar a qualidade e a produtividade dos setores florestal e madeireiro;Treinar estudantes de graduação e pós-graduação;Desenvolver técnicas de treinamento e capacitação;Desenvolver estudos de sustentabilidade;Promover o desenvolvimento do manejo e da silvicultura; Promover o desenvolvimento do agronegócio; e Promover o desenvolvimento regional.

Equipamentos: Um Microcomputador Positivo; Uma Impressora Hp Deskjet e um Software de Controle Estatístico do Processo (CEP).

4)LABORATÓRIO DE ERGONOMIA E COLHEITA FLORESTAL

Coordenadora: Profa. D.Sc. Mayra Luiza Marques da Silva
Descrição: O Laboratório de ergonomia e colheita florestal do DCFM atende a diversas demandas de aulas práticas das disciplinas de Ergonomia Florestal, Segurança do Trabalho na Indústria Madeireira, Colheita, Transporte e Logística Florestal e Motores e Máquinas Florestais nos cursos de Graduação em Engenharia Florestal e Industrial Madeireira. Na pós-graduação em Ciências Florestais o laboratório atende às demandas das disciplinas Ergonomia, Colheita e Logística Florestal. Na área de pesquisas o laboratório é equipado com diversos equipamentos para análise Ergonômica de Trabalho Florestal e Madeireiro.Podem ser realizadas as seguintes análises:Ambiente de Trabalho (ruído, vibração, conforto térmico e iluminação);Posturas no trabalho;Dimensionamento de postos de trabalho, máquinas, ferramentas e equipamentos com análise antropométrica do trabalhador;Avaliação ergonômica de máquinas florestais (acesso, posto de trabalho, assento, ruído, conforto térmico, vibrações, exaustão de gases, fuligens e poeiras, iluminação, visibilidade, controles e instrumentos);Dispêndio energético e capacidade aeróbica (testes de esteira, bicicleta ergométrica e bancos);Avaliação nutricional do trabalhador;Carga física do trabalho;Análise técnica e econômica da colheita e transporte Florestal;Estudo de tempos e movimentos: análise de produtividade, rendimentos, eficiência e disponibilidade de máquinas, equipamentos e ferramentas; análise do transporte rodoviário; análise técnica, econômica e ambiental de estradas florestais.

Equipamentos:Dentre os equipamentos, adquiridos com recursos de projetos de pesquisa (FAPES e CNPq) e convênios com empresas privadas destacam-se: termômetro ibutg, luximetro digital, dosímetro, decibelímetro, balança eletrônica para a pesagem de pessoas até 180kg e divisão de 10g, balança eletrônica para a pesagem de cargas até 30kg, esteira ergométrica, medidor de freqüência cardíaca sem fio com precisão ECG, cronômetros, acelerômetro digital piezo elétrico balanceador, filmadora digital em DVD, anemômetro digital e célula de carga.

5) LABORATÓRIO DE MODELAGEM HIDROLÓGICA

Coordenador: Prof. D.Sc. Roberto Avelino Cecílio
Descrição: O Laboratório de Geoprocessamento está inserido no contexto de suporte, por meio das ferramentas de informática e geoprocessamento, aos cursos de graduação em Engenharia Florestal e Engenharia Industrial Madeireira, além dos cursos de Pós-Graduação em Ciências Florestais e em Produção Vegetal do CCA/UFES. A estrutura do referido laboratório permite a realização de aulas e atividades práticas, experimentos e testes ligados às mais diversas áreas de conhecimento das Ciências Florestais.
Equipamentos:Dentre os principais equipamentos destacam-se: computadores, impressora, plotter, mesa digitalizadora, aparelhos de GPS geodésico L1, software de geoprocessamento ArcGIS 10 licenciado, adquiridos por meio de projetos de pesquisa junto à FAPES e CNPq, e de recursos do Ministério do Meio Ambiente. Estão em fase de aquisição, por meio de recursos advindos da FAPES/Pro-INFRA, um moderno sistema de digitalização de superfícies por intermédio de laser e um par de aparelhos de GPS geodésico L1/L2, com maior exatidão.

6)HERBÁRIO VIES – SUBCURADORIA JERÔNIMO MONTEIRO

Coordenador: Prof. D.Sc. Henrique Machado Dias
Descrição: Herbários são coleções científicas de plantas desidratadas, provenientes de diversas regiões geográficas. Além de servirem como registro permanente da biodiversidade, os herbários também funcionam como fontes básicas de informações para todo trabalho que envolva pesquisa em biodiversidade, botânica pura e aplicada e áreas afins. Os herbários são vistos como instrumento de educação científica, pois serve como uma biblioteca da biodiversidade vegetal no planeta, informando a sociedade o papel da flora e demais organismos associados a ela nos ecossistemas estudados. A necessidade de criação de uma coleção científica estimula a conservação da biodiversidade aliada aos estudos de bens e serviços associados aos vegetais. A manutenção de uma coleção também é importante para acompanhar a fenologia de cada espécie estudada (habitat, habito, floração, frutificação, distribuição geográfica, etc.), por isso vai subsidiar estudos de produção de mudas, recuperação de áreas degradadas, manejo florestal, ecologia florestal, taxonomia, etc. O crescente número de projetos de pesquisas desenvolvidos por docentes e alunos do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira bem como outros cursos de graduação e pós-graduação do Centro de Ciências Agrárias da UFES tem aumentado a demanda por coleta de material botânico e sua posterior identificação taxonômica. Por isso, a inclusão desse material em um acervo mais amplo e melhor estruturado torna-se fundamental. Uma coleção estruturada também é importante para dar suporte às disciplinas de Botânica lecionadas nos cursos de graduação em Biologia, Engenharia Florestal, Zootecnia e Agronomia, bem como para o curso de Mestrado em Ciências Florestais, mestrado e doutorado em Produção Vegetal, e nas diferentes linhas de pesquisa da instituição. Objetivos do herbário do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira: Embasar estudos florísticos, fitossociológicos e ecológicos desenvolvidos pela instituição (graduação e pós-graduação) e por colaboradores externos; Documentar a biodiversidade vegetal do sul do estado do Espirito Santo; Ser fiel depositário para coletores credenciados e colaboradores do herbário; Subsidiar aulas práticas da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais da UFES e colaboradores;Estimular a participação e o atendimento dos pesquisadores especialistas em grupos taxonômicos que residem em outros Estados para identificação dos espécimes; Realizar intercâmbio de espécimes entre os maiores herbários do país; Captar recursos para auto-gestão da sua infraestrutura; Estar inserido nos convênios e projetos desenvolvidos com a flora do estado do Espirito Santo; Subsidiar estudos da biodiversidade brasileira.
Equipamentos: A subcuradoria Alegre/Jerônimo Monteiro do herbário VIES, inaugurado em março de 2010, conta com cerca de 3.500 espécimes, depositados, registrados e incorporados. O herbário é uma subcuradoria do Herbário Central de Vitória (VIES), ao qual somando ambas as coleções estão com aproximadamente 25.000 espécimes. Por estar interligado com o VIES, está registrado no CRIA, com toda a coleção informatizada e registrada na Rede Mundial de Computadores, aonde pode ser acessado de qualquer lugar do planeta. Espera-se para os próximos dois anos tornar-se o maior do sul capixaba e referência para políticas públicas do Estado.O herbário conta com os seguintes equipamentos, adquiridos por intermédio de convênio com a Fibria Celulose S.A. e recursos da UFES e Ministério do Meio Ambiente: Trinta e cinco armários de aço para armazenamento de coleções botânicas; Lupas binoculares; Três computadores com impressora lazer para impressão de fichas; Estufa elétrica de circulação de ar controlada; Estufas de compensados (artesanal), para secagem com calor por lâmpadas; Prensas de madeira e compensado; Alumínio corrugado e papel “borrão” para secagem; Dois podões com telescópio de 10 metros; GPSMap 60Csx; Sala para coleção climatizada 24 horas com três aparelhos de ar condicionado e desumidificador, para o controle de patógenos na coleção; Livros didáticos específicos doados por diferentes bibliotecas do país; Periódicos científicos para classificação das plantas (Acta BotanicaBrasilica; Revista Brasileira de Botânica; Cerne/ Revista Árvore; Revista Brasileira de Botânica; Ciência Florestal; Hoenea; etc.); Freezer para controle térmico da coleção; Câmera Fotográfica; Software Brahms para armazenamento das informações de toda a coleção; Cinco salas, totalizando 200m2 para preparação e manuseio da coleção e com bancadas.

7)LABORATÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS

Coordenador: Prof. D.Sc. Nilton Cesar Fiedler
Descrição: O laboratório é equipado para desenvolver eficientemente aulas práticas das disciplinas de Graduação em Engenharia Florestal e Pós Graduação em Ciências Florestais. São desenvolvidas no laboratório pesquisas e atividades de campo nas mais diversas áreas como zoneamento de riscos, aplicação da geotecnologia em prevenção e combate aos incêndios florestais, monitoramento meteorológico, testes de índices de riscos de incêndios florestais, simulação de propagação do fogo, testes de eficiência de retardantes de fogo, monitoramento de risco, treinamentos em prevenção e combate a incêndios florestais, definição de zonas prioritárias de prevenção.

Equipamentos: Dotado de várias máquinas, ferramentas e equipamentos de apoio didático e prático como abafadores, bombas costais, pinga-fogo, enxadas, pás de bico, foices, motosserras, pulanski, Mc Leod, manequins demonstrativos, adquiridos com recursos da UFES, de projetos de pesquisas (FAPES e CNPq) e convênios com empresas privadas. Além disso, possui vários Equipamentos de proteção individual indispensáveis para o combate como calças e camisas com revestimento em nomex, botas apropriadas para o combate, óculos, máscaras, luvas, capacetes.

8) LABORATÓRIO DE SEMENTES FLORESTAIS

Coordenadores: Prof. D.Sc. Rodrigo Sobreira Alexandre
Descrição:Constituído de um amplo espaço físico e dotado de equipamentos que permitem a condução de aulas práticas para o ensino de graduação e de pós-graduação, o Laboratório de Sementes Florestais possibilita, ainda, a realização de atividades de extensão, análises e pesquisas relacionadas com as ciências de sementes. Sua estrutura contempla uma sala para triagem e processamento de material vegetal proveniente de coletas no campo, dotada de bancadas, capela, estufas de circulação forçada de ar e de esterilização e armários com vidrarias e reagentes; uma sala para análises e condução de experimentos, contendo germinadores, câmaras de germinação do tipo BOD e outros equipamentos afins; duas salas para docentes e, também, uma câmara fria para armazenamento de sementes.O espaço do Laboratório de Sementes está passando por uma reforma e reestruturação, para que possa atender a demanda de análises de rotina, pesquisas e armazenamento de sementes relacionadas à “Rede de Sementes Florestais do Entorno do Caparaó e Bacia do Rio Itapemirim”, uma parceria dos Governos dos Estados do Espírito Santo e Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Espírito Santo e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais e Universidade Federal do Espírito Santo, que tem como objetivo desenvolver ações de implantação de uma rede de sementes florestais para abastecer um sistema de produção de mudas de alta qualidade, de modo a viabilizar a formação de corredores ecológicos, como mecanismo de proteção, conservação e recuperação da biodiversidade na região.São objetivos principais do Laboratório de Sementes Florestais do CCA/UFES o ensino das ciências de sementes; a prospecção, seleção e catalogação de árvores matrizes; a coleta, o beneficiamento e o armazenamento de sementes florestais; a condução de pesquisas de iniciação científica e de pós-graduação dos discentes da UFES, bem como daquelas feitas por profissionais e discentes de outras instituições por meio de parcerias; a busca por conhecimentos e novas tecnologias relacionadas ao estudo das sementes e; a divulgação científica.
Equipamentos:Germinadores do tipo mangelsdorf; Câmaras de Germinação do tipo B.O.D; Balanças analíticas e semi-analíticas; Estufa de circulação forçada de ar; Condutivímetro de bancada; pHmetro de bancada; Espectrofotômetro UV/Visível; Botijão de Nitrogênio Líquido; Câmara Fria; Destilador; Manta aquecedora; Microcentrífuga refrigerada; Capela; Banho-Maria; Liquidificador Industrial; Seladora; Paquímetros digitais; Microscópio estereoscópio.

9) LABORATÓRIO DE RECURSOS HÍDRICOS E SOLOS

Coordenador: Prof. D.Sc. Sidney Sára Zanetti
Descrição: O Laboratório de Recursos Hídricos atende à comunidade Universitária, dando suporte às atividades de ensino, pesquisa e extensão. Dentre os vários tipos de análises realizadas, as principais são: análises de qualidade da água e análises físicas do solo. Sobre qualidade da água, são realizadas análises de diversos parâmetros, como nitrogênio total, fósforo, oxigênio dissolvido, turbidez, condutividade elétrica, pH, temperatura, sólidos totais, coliformes fecais, etc. Sobre física do solo, são realizadas análises de macro e micro porosidade, densidade do solo, umidade e granulometria. São realizadas, também, análises químicas de solo e folha, contemplando macro e micronutrientes, e teor de matéria orgânica do solo.
Equipamentos:Dentre os principais equipamentos destacam-se: fotômetro de chama, fotocolorímetro, espectrofotômetro de absorção atômica, potenciômetro, ponte tituladora, pipetador, bloco digestor, chapa aquecedora, banho maria, destilador de água, destilador de nitrogênio, agitador magnético, mesa agitadora, agitador de tubo, mufla, estufa de secagem, freezer, autoclave, balanças de precisão, trado para amostragem indeformada de solo (inox), equipamento TDR 100 com multiplexador e 8 sondas, medidor portátil de oxigênio dissolvido, fotômetro multiparâmetros de bancada, turbidímetro portátil e reator térmico, etc. Tais equipamento foram adquiridos com recursos advindos da UFES, do Ministério do Meio Ambiente e de projetos de pesquisa.Serão adquiridos, ainda, por meio de recursos previstos no edital MCTI/FINEP/CT-INFRA - PROINFRA - 01/2011, um espectrômetro de emissão atômica por plasma (emissão óptica) e um conjunto completo de extratores de pressão de Richards.O laboratório possui Certificado de Excelência do Programa de Analise de Qualidade de Laboratórios de Fertilidade/PAQLF da Embrapa Solos.
10) LABORATÓRIO DE MANEJO E MENSURAÇÃO FLORESTAL

Coordenador:Prof. Dr. Gilson Fernandes da Silva
Descrição: O Laboratório de Mensuração e Manejo Florestal (LMMF) desenvolve atividades desde o ano de 2002, sendo oficialmente reconhecido em setembro de 2008, de acordo com a Portaria nº. 060/2008 GD/CCA-UFES do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito Santo. O LMMF está vinculado institucionalmente ao DCFM/CCA/UFES, servindo de apoio as aulas das disciplinas de Graduação (Dendrometria, Inventário Florestal, Manejo Florestal e Manejo de Florestas Inequiâneas) e Pós-Graduação (Otimização do uso de recursos florestais, Mensuração Florestal, Manejo Florestal e Métodos Estatísticos), bem como a realização de pesquisas em nível de Graduação e Pós-Graduação. O LMMF tem desenvolvido pesquisas nas linhas de: Metaheuristicas como simulatedanneling e algoritmos genéticos para soluções de planejamento florestal; Análise florística e fitossociológica de fragmentos florestais da Mata Atlântica; Ajuste de funções de afilamento para multiprodutos, medição de variáveis dendrométricas utilizando várias metodologias; Modelagem do crescimento e da produção florestal e Manejo intensivo de plantios florestais. Desde a sua criação em 2002, neste laboratório já foram desenvolvidas, 12 dissertações de mestrado com a orientação do coordenador, outras 7 com a coorientação do coordenador e mais de 20 estudantes de graduação também já atuaram neste laboratório em trabalhos de PIBIC, TCC ou em estágios. O laboratório também desenvolveu uma série de parcerias com a iniciativa pública e privada, o que permitiu captar recursos que foram empregados no seu aperfeiçoamento. Dentre as parcerias realizadas, pode-se destacar: CNPq, CAPES, FINEP, FAPES, IBAMA, Ministério do Meio Ambiente, Governo do Estado do Espírito Santo, Governo do Estado de Minas, CEMIG, Cenibra, Fibria, Companhia Vale do Rio Doce, Samarco, Empresa Cientec. Como resultados dessas parcerias, além da manutenção do laboratório, obtiveram-se bolsas de mestrado para a realização de dissertações, apoio aos trabalhos de estudantes de graduação, desenvolvimento de diversos softwares, entre eles: Mata Nativa, CubMaster, SAD Florestal, EstatFlor e ForestModel. As parcerias também foram importantes para equipar o laboratório, o que foi fundamental para as atividades de ensino na graduação, apoio a coleta de dados não só nos trabalhos de mensuração, mas também em diversas áreas da pesquisa florestal que dependem de equipamentos de mensuração, e no apoio aos estudantes de pós-graduação.

Equipamentos: Sutas, fitas diamétricas de aço, pentaprisma de Wheller, dendrômetro a laser (Criterion), relascópio de Bitterlich, barras de Bitterlich, prismas de área basal, hipsômetro Haga, hipsômetro Suunto, hipsômetro digital Vertex, Hipsômetro Vertex a laser, clinômetro Suunto, Clinômetros digitais, Níveis de Abney, réguas telescópicas para medir altura de árvores com diversos tamanhos, medidores de casca, trenas, distanciômetros a laser, Trados de incremento, GPS´s de navegação, GPS topográfico L1 de alta precisão, máquinas fotográficas e filmadora, equipamentos e materiais para coleta de material botânico, binóculos, esquadros de agrimensor e balizas, bússolas, além de bancada com computadores para o desenvolvimento de trabalhos dos estudantes contendo softwares como o Mata Nativa, CubMaster, SAD Florestal, EstatFlor, R e o software de otimização CPLEX.

11) VIVEIRO FLORESTAL

Coordenadora: Prof. D.Sc. Elzimar de Oliveira Gonçalves
Descrição:O Viveiro Florestal do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito Santo está localizado na Rodovia Cachoeiro/Alegre, km 06 (Área Experimental I) no município de Alegre, Espírito Santo. O mesmo possui uma área aproximada de 10.000 m2. Sua missão consiste em promover o desenvolvimento técnico-científico, com alto padrão de qualidade, da área de propagação de espécies florestais nativas e exóticas. Objetivos: Atender as atividades relacionadas a pesquisa, ensino e extensão, em especial dos alunos de graduação em Engenharia Florestal e pós-graduação em Ciências Florestais, bem como a comunidade em geral; Possibilitar treinamento de estudantes de ensino médio e superior, matriculados em cursos afins à Ciência Florestal, na forma de estágio voluntário ou curricular; Produção de mudas de espécies florestais de grupos ecológicos distintos. Linhas de pesquisa: Propagação de plantas, em experimentos com: exigências nutricionais; substratos variados como, biossólido, palha de café, fibra de coco, casca de arroz; recipientes; Manejo de viveiro de espécies florestais.
Equipamentos:Galpão com banheiros, almoxarifado, escritório, e área para preparo de substratos e enchimento de tubetes; Casa de sombra com irrigação controlada; Pátio para crescimento e rustificação de plantas em tubetes com canteiros suspensos e irrigação controlada e pátio com canteiros a pleno sol para mudas produzidas em sacolas plásticas; Sementeiras; Sala de apoio.
12) XILOTECA

Coordenador:Prof. D. Sc. José Tarcísio da Silva Oliveira.
Descrição:Xiloteca é o nome dado a coleções de madeiras organizadas em um determinado espaço, destinadas a estudos e pesquisas na área florestal e tecnológica.A Xiloteca do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira é formada por amostras de madeiras de espécies nativas e exóticas. Além de contar com um modesto acervo de lâminas histológicas que auxiliam e complementam os estudos e pesquisas relativos, principalmente, a identificação de espécies.As lâminas histológicas revelam a forma do tecido lenhoso de cada espécie e como estão arranjando os elementos anatômicos que o constituem, como por exemplo as células dos elementos de vaso, fibras, células do parênquima radial e axial.Objetivos da Xiloteca: Conservar amostras de madeiras da flora local e de outras regiões;Auxiliar os alunos de graduação e pós-graduação em aulas práticas de anatomia e tecnologia da madeira;Contribuir com pesquisas de iniciação científica e mestrado;Complementar os trabalhos de caracterização tecnológica da madeira;Auxiliar na solução de problemas, como da comercialização de madeiras, através da correta identificação.

13) LABORATÓRIO DE BIODETERIORAÇÃO E PROTEÇÃO DA MADEIRA

Responsável: Prof. D. Sc. Juarez Benigno Paes
Contato: 3558-2514
E-mail: jbp2 [at] uol.com.br

Conta com estrutura física, equipamentos e coleção de fungos xilófagos (provenientes do Forest Products Laboratory - Madison e Forintek Canada Corporation - Ottawa) para atender aos cursos de Graduação e de Pós-Graduação. Apoia a pesquisa de outras instituições de ensino e empresas do ramo de tratamento da madeira. Desenvolve pesquisas para avaliar a eficiência de produtos naturais contra organismos xilófagos (fungos, térmitas e coleópteros). Efeito do tratamento térmico na melhoria da durabilidade da madeira e bambu. Isolamento e identificação de fungos lignoceluliticos.

A equipe envolvida desenvolve diversos projetos de pesquisa, tais como:
1. Seleção e ensaios com fungos com capacidade de deterioração de tocos de Eucalyptus sp para destoca biológica.
2. Seleção e ensaios com fungos lignocelulíticos para biopolpação de madeira.
3. Avaliação da resistência natural da madeira e derivados.
4. Avaliação da qualidade e eficiência de tratamento preservativo da madeira.
5. Pesquisas com reciclagem e reutilização de madeira tratada com substâncias preservativas.
6. Desenvolvimento de produtos à base de substâncias naturais para a melhoria da cor e resistência biológica da madeira.
7. Pesquisas com bionanopartículas de sílica para o tratamento de madeira.
8. Pesquisas para uso industrial de espécies de bambu.

Equipamentos: Dentre os principais equipamentos destacam-se: autoclave; câmara de fluxo laminar; e câmara climática; (adquiridos com recursos do Ministério do Meio Ambiente e da UFES - Programa de Expansão e Reestruturação das IFES - MEC); utilizados na esterilização de materiais, repicagem e isolamento de fungos xilófagos e manutenção de ensaios com organismos deterioradores de madeira; balanças de precisão e analítica; estufas com circulação de ar forçada; utilizados para avaliação de ensaios com organismos xilófagos e Stress Wave Timer (Metrigard Model 239 A) equipado com acessórios para ensaios não destrutivos em amostras de laboratório, painéis de madeira e em nível de campo. Equipamentos adquiridos com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo – FAPES. Autoclave de bancada para tratamento de madeira e ensaios de delaminação em juntas coladas.

14) LABORATÓRIO DE PAINÉIS

Responsável: Prof. D. Sc. Fabricio Gomes Gonçalves
Contato: (28) 3558-2544 e (28) 3558-2508

E-mail: fabricio.goncalves [at] ufes.br

O Laboratório de Painéis realiza pesquisas com adesivos químicos e naturais, bem como caracterizações físicas e químicas em adesivos (pH, viscosidade, teor de sólidos, tempo de gel, densidade). Permite a confecção de painéis aglomerados e compensados e suas respectivas caracterizações técnica. A estrutura do laboratório, juntamente com as demais estruturas disponíveis no Departamento permite realizar estudos destrutivos e não destrutivos nos painéis e demais elementos construtivos.
O laboratório é infraestruturado com os seguintes equipamentos, além de vidrarias diversas que dão suporte para pesquisas também em outras áreas de interesse: Prensa pneumática elétrica com pratos aquecidos; Estufa de secagem com circulação/renovação de piso; Balança de plataforma de capacidade de 6kg; Balança analítica; Freezer Horizontal; Medidor de pH microprocessado de bancada; Peneirador elétrico com jogo variado de peneiras quadradas; Encoladeira com motor elétrico dotada de sistema automatizado de rotação e compressor de ar; Viscosímetro rotativo digital; Mantas aquecedoras; Gerador de partículas de madeira; Moinho de martelo com sistema de retenção de poeira; Estufa de secagem de bancada; Autoclave vertical; Determinador de tempo de gel; Aspirador de pó.
Basicamente se desenvolve pesquisas nas seguintes áreas:
1. Uso de resíduos lignocelulósicos e agroindustriais na confecção de painéis a base de partículas;
2. Espécies não tradicionais na confecção de painéis aglomerados;
3. Qualidade de taninos na produção de painéis aglomerados;
4. Avaliação de propriedades tecnológicas da madeira;
5. Uso de técnicas não destrutivas na estimativa de propriedades físicas e mecânicas em elementos laminados e painéis reconstituídos.

15) LABORATÓRIO DE QUALIDADE DA MADEIRA

Responsável: Prof. D. Sc. Graziela Baptista Vidaurre
Contato: 3558-2511
E-mail: grazividaurre [at] gmail.com

A instalação reúne um conjunto de equipamentos de análise de imagens empregados na avaliação, principalmente, da qualidade da madeira jovem de eucalipto e também nas madeiras de mogno africano e mogno brasileiro provenientes de plantios comerciais. É possível, ainda, a avaliação da cor da madeira bem como diversas propriedades e parâmetros empregados na avaliação da qualidade da madeira. A equipe envolvida desenvolve diversos projetos de pesquisa, tais como:
Pesquisas:
1. Qualidade da madeira de árvores de eucalipto plantados no Brasil que cresceram sob diferentes condições climáticas e de produtividade.
2. Influência do espaçamento de plantio e idade de corte nas propriedades da madeira de eucalipto.
3. Produção e características do cerne e alburno na madeira de árvores de eucalipto sob diferentes condições de crescimento e sua relação com as variáveis dendrométricas.
4. Grã da madeira de eucalipto, mogno africano, mogno brasileiro e sua relação com propriedades físico-mecânicas e propagação de ondas acústicas.
5. Transição e propriedades dos lenhos juvenil e adulto de madeiras plantadas comercialmente e de madeiras nativas.
6. O uso do resistógrafo na avaliação da qualidade da madeira de eucalipto jovem.

Equipamentos: conta com diversos equipamentos adquiridos com recursos da FAPES e CAPES e mantidos com recursos, principalmente, da iniciativa privada, tais como: microscópio (Zeiss, AXio Scope.A1), com luz polarizada e luz de fluorescência, equipado com câmera (AxioCam MRc 5 Zeiss, 5 megapixel) e software de aquisição, processamento, análise e interpretação de imagens (AxioVision Rel. 4.8), utilizado na avaliação de vários parâmetros anatômicos da madeira, tais como morfologia das fibras, vasos e raios e o ângulo das microfilas; microscópio estereoscópio binocular (BEL modelo SZT) com câmera de vídeo de alta resolução (BEL, 10 MP); cabeçote de estéreo trilocular acoplado ao sistema de articulação (BEL, V8); scanner de alta resolução (EPSON, Perfection V750 Pro) utilizado em estudo dos anéis de crescimento, grã e superfície da madeira; iluminador de led (AZ); espectrofotômetro portátil (Konica Minolta, CM 2500 D) utilizado na determinação dos parâmetros colorimétricos da madeira tanto natural ou mesmo amostras que foram submetidas a algum tipo de tratamento; perfurador de madeira (Stihl BT 45); balanças analítica e estufas (bancada e vertical) com circulação de ar forçada que permitem avaliação da densidade básica da madeira e da contração da madeira; avaliação da transição e das propriedades dos lenhos juvenil e adulto; ângulo da grã da madeira e produção e características da madeira de cerne e da madeira de alburno de eucalipto.

16) LABORATÓRIO DE QUÍMICA DA MADEIRA
Responsável: Prof. D. Sc. Humberto Fantuzzi Neto
Contato: 3558-2521
E-mail: hfantuzzi [at] yahoo.com.br

No laboratório de Química da madeira são realizadas análises, reações e processos de cunho técnico-científico em madeira e materiais lignocelulósicos, tanto nas espécies vegetais quanto em resíduos da atividade madeireira e agrícola.
A infraestrutura atende aulas práticas das disciplinas de Química da Madeira para os cursos de Engenharia Industrial Madeireira, Engenharia Florestal e Pós-Graduação em Ciências Florestais e pesquisas relacionadas aos constituintes químicos, principalmente da madeira.
A instalação engloba atividades vinculadas às áreas de Energia da Biomassa, Qualidade da Madeira e Painéis, reúne um conjunto de equipamentos para a caracterização química da madeira e de materiais lignocelulósicos abrangendo uma ampla gama de pesquisas.
Tipos de análises: são realizadas conforme as normas da ABNT, TAPPI e ABTCP e permitem a quantificação do teor de extrativos solúveis em água quente e fria, extrativos solúveis em tolueno, acetona, diclorometano e metanol, teores de lignina solúvel e insolúvel e pentosanas.
Equipamentos: Há diversidade de equipamentos a citar: 2 capelas de exaustão utilizadas como barreira física entre as reações químicas e o pesquisador, com a finalidade de exaurir vapores e gases; 4 conjuntos de chapas aquecedoras com superfície de vitrocerâmica, controlada de forma analógica, cuja função é aquecer uniformemente as amostras com temperatura constante; diversos conjuntos extratores Soxhlet, estufa de bancada de circulação forçada utilizada para secagem das amostras e determinação da umidade dos materiais; bombas a vácuo para remoção de solventes das serragens após extrações, 2 banhos maria (SL 150) empregados nas análises de extrativos totais (extração com água) e teor de lignina; autoclave horizontal (Stermax) para hidrolise da madeira em ácido sulfúrico na determinação do teor de lignina insolúvel, destilador de água para “purificar” água necessária ao preparo de soluções e lavagem de vidrarias, banho ultratermostático para o resfriamento de condensadores em extrações, balança analítica para pesagens de amostras e reagentes, espectrofotômetro UV utilizado na determinação de lignina solúvel, aquecedor/agitador, evaporador rotativo e conjunto completo para destilação das pentosanas.

17) LABORATÓRIO DE ENERGIA DA BIOMASSA
Responsável: Prof. D. Sc. Marina Donária Chaves Arantes
Contato: 3558-2517
E-mail: mdonariac [at] hotmail.com

A instalação reúne um conjunto de equipamentos empregados na avaliação da geração de energia de diferentes biomassas, assim como para a produção e avaliação de carvão vegetal, briquetes e pellets, principalmente, ao que diz respeito à qualidade energética da madeira jovem de eucalipto, angico vermelho provenientes de plantios comerciais e materiais lignocelulósicos como bagaço de cana-de-açúcar e capim elefante. É possível, ainda, a avaliação de diversas propriedades e parâmetros empregados na determinação do potencial energético das biomassas, como umidade, teor de materiais voláteis, teor de cinzas, densidades e rendimentos gravimétricos. A equipe envolvida desenvolve os seguintes projetos de pesquisa:

Pesquisas atuais:
1. Produção de biomassa energética em diferentes espaçamentos, manejos e culturas.
2. Construção e influência do forno-fornalha para carbonização da madeira, qualidade do carvão e redução das emissões atmosféricas.
3. Efeito de diferentes composições na qualidade de pellets de bagaço de cana-de-açúcar e serragem de eucalipto para a geração de energia.
4. Qualidade da madeira e do carvão vegetal produzidos com a madeira jovem de angico vermelho (Anadenanthera peregrina).

Equipamentos: conta com diversos equipamentos adquiridos com recursos da empresa FIBRIA, agências de fomento FAPES e CAPES, tais como: balança analítica (Welmy Modelo W300 Classe III), balanças de precisão (BEL Engieering Modelos Mark 500 Classe II, Mark 210A e L16001 Classe II), estufas verticais e de bancada (Nova Ética Modelo 420-6D; Ethik Techonology Modelo 400-9D e Biopar Modelo S809D) com circulação de ar forçada, que permitem a avaliação da densidade básica, densidade a granel e umidade do material analisado; briquetadeira laboratorial (LIPPEL Modelo LB-32) para a produção de briquetes; fornos muflas de até 1200ºC (Quimis Modelo Q318M24, Fornos Magnus e Jung Modelo LF2312) para a produção de carvão vegetal, determinação do teor de materiais voláteis e teor de cinzas de diversos materiais e rendimentos gravimétricos do carvão vegetal; e peletizadora (ENG-MAQ Modelo 0200 de matriz plano) para a produção de pellets, calorímetro ( Ika C-200) para determinação de poder calorífico superior em amostras sólidas e líquidas de materiais lignocelulósicos.

18) LABORATÓRIO DE CIÊNCIA DA MADEIRA
Responsável: Prof. D. Sc. José Tarcisio da Silva Oliveira
Contato: 3558-2513
E-mail: jose.t.oliveira [at] ufes.br

A instalação reúne um conjunto de equipamentos visando a realização de pesquisas relacionadas às propriedades físicas e mecânicas da madeira, anatomia da madeira e recentemente na área de ensaios não destrutivas da madeira. Apesar de realizar estudos em diferentes espécies lenhosas, o foco principal do laboratório está nas pesquisas com espécies de rápido crescimento, com destaque para madeiras provenientes dos diferentes materiais genéticos do gênero Eucalyptus. A equipe envolvida desenvolve diversos projetos de pesquisa, tais como:
Pesquisas:
1. Avaliação da qualidade madeira de eucalipto que cresceu em ambientes contrastantes.
2. Uso do resistógrafo na avaliação da qualidade da madeira de árvores jovens de eucalipto para produção de celulose.
3. Uso de redes neurais na adequação da madeira de eucalipto para produção de celulose.
4. Avaliação de propriedades tecnológicas da madeira de eucalipto proveniente de diferentes materiais genéticos, visando a produção de celulose comercialmente e de madeiras nativas.
5. Avaliação não destrutiva da madeira de eucalipto para a produção de celulose.
Tal estrutura física é destinada a realização de aulas práticas para os cursos de graduação em Engenharia Florestal e Engenharia Industrial Madeireira e também para o Programa de Pós-graduação em Ciências Florestais, na linha de pesquisa em Tecnologia de Produtos Florestais. Também são desenvolvidas pesquisas de iniciação científica com alunos de graduação e ao nível de pós-graduação.
Equipamentos: conta com diversos equipamentos adquiridos com recursos da Universidade e agências de fomento, e da inciativa privada tais como: Máquina Universal de Ensaios de marca EMIC Modelo DL10000, micrótomo de deslize de marca Leica, afiador de navalhas de micrótomo de marca Leica, trinta microscópios óptico para aulas práticas, microscópio Axiostar Plus de marca Zeiss com câmera acoplada e sistemas de análise de imagem Image Pro-Plus e Axion Vision, Balança de precisão, estufa de laboratório, câmara climática entre outros equipamentos utilizadas na realização de estudos anatômicas e físico-mecânicos da madeira.

Atividades complementares:
Atividades ligadas a organização e implementação de xilotecas acadêmica e cientifica no DCFM.
19)LABORATÓRIO DE ESTRUTURA DE MADEIRAS

Coordenador: Prof. D.Sc. Pedro Gutemberg de Alcântara Segundinho.
Descrição: O Laboratório de Estruturas de Madeira (LEMAD) desenvolve atividades desde o ano de 2010. O LEMAD está em processo de aquisição de diversos equipamentos para ensaios em estruturas de madeira e produtos insdustrializados da madeira. O LEMAD está vinculado institucionalmente ao DCFM/CCA/UFES, servindo de apoio as aulas práticas das disciplinas da área de Estruturas de Madeira, realização de trabalhos de conclusão de curso e realização de pesquisas ao nível de iniciação científica para os Estudantes dos Cursos de Engenharia Industrial Madeireira e Engenharia Florestal; com estudos nas áreas de Madeira Laminada Colada (MLC); Projetos de Estruturas de Madeira; Construções em Madeira e Ensaios Não-Destrutivos.

Equipamentos: Estão sendo adquiridos, por meio de projeto FINEP-UFES, Máquina Universal de Ensaios com capacidade de 300 kN para realizar ensaios mecânicos de tração, compressão, ligações e flexão em corpos de prova; Sistema de Aquisição de Dados que possibilita a medição de deslocamentos e forças em elementos estruturais; Pórtico de Reação para ensaios de flexão em vigas e postes; Aparelhos para realização de Ensaios Não-Destrutivos.

20) MARCENARIA

Coordenadora: Profa. D.Sc. Graziela Baptista Vidaurre Dambroz
Descrição: A usinagem (marcenaria) é o processo de dar forma a uma determinada matéria-prima em uma operação mecânica, utilizando-se um conjunto máquina-ferramenta de corte.No caso da indústria madeireira utiliza-se como matéria-prima a madeira em estado maciço ou derivados dela, principalmente os painéis - compensados, particulados e de fibras. As principais ferramentas de corte utilizadas nas operações mecânicas de usinagem são discos denteados, lâminas denteadas, brocas, facas e fresas.A qualidade da usinagem depende da correta compreensão da matéria-prima, com a utilização adequada do conjunto máquina-ferramenta de corte e da mão de obra, associados a uma metodologia viável, de acordo com a operação de usinagem que se deseja executar. Objetivos da Marcenaria: Atender, primariamente, às demandas de aulas práticas da disciplina de Usinagem da Madeira do curso de graduação em Engenharia Industrial Madeireira; Atender à pesquisa da comunidade acadêmica: graduação e pós-graduação, na confecção de corpos de prova para todos os tipos de ensaio de madeira e derivados;Apoiar a extensão universitária;Atender às demandas da comunidade universitária de serviços de usinagem de madeira em geral.
Equipamentos: Desempenadeira/capacidade de até 320 mm de largura; Plaina desengrossadeira/capacidade de até 400 mm de largura; Serra circular/altura de corte máxima de 65 mm; Serra de fita/altura de corte máxima de 470 mm;Serra circular destopadeira/altura de corte máxima de 100 mm; Moinho de facas/Willey; equipamentos estes adquiridos com recursos da UFES e Ministério do Meio Ambiente.

21) UNIDADE DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA

Coordenador: Prof. D.Sc. Djeison Cesar Batista
Descrição: A UPM será um centro de excelência em pesquisa na área de Industrialização de Produtos Florestais, além de ser um dos mais completos laboratórios do Brasil atendendo aos cursos de graduação em Engenharia Florestal e Industrial Madeireira. Objetivos: Primariamente, prover aulas práticas para as disciplinas da área de Industrialização da Madeira aos alunos dos cursos de graduação em Engenharia Florestal e Engenharia Industrial Madeireira; Prover aulas práticas aos alunos do curso de pós-graduação em Ciências Florestais do Centro de Ciências Agrárias da UFES;Apoiar a extensão universitária;Desenvolver pesquisa nas seguintes linhas: Processamento Mecânico da Madeira;Relações Água-Madeira e Secagem da Madeira;Tratamento da Madeira.

Equipamentos:A UPM está em fase de aquisição de equipamentos e contará com os seguintes equipamentos: Unidade de desdobro principal e secundário de madeira, convertendo toras em madeira serrada de acordo com a dimensão final desejada; Unidade de secagem convencional da madeira; Usina de preservação de madeira com preservativos hidrossolúveis; Picador industrial de toras, para dar suporte ao Laboratório de Celulose.Atualmente já conta com uma marcenaria equipada com os seguintes equipamentos: serra circular de mesa; serra destopadeira; serra de fita; plaina desengrossadeira; desempendadeira; furadeira de bancada; lixadeira; compressor de ar; moinho do tipo Willey.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910