ANÁLISE DE RISCO DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS PLANTADAS

Nome: Fernando Coelho Eugenio
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 02/06/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Alexandre Rosa dos Santos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alexandre Rosa dos Santos Orientador
Jéferson Luiz Ferrari Examinador Externo
José Eduardo Macedo Pezzopane Coorientador
Nilton Cesar Fiedler Examinador Interno

Resumo: Nos casos em que a prevenção não é suficiente para evitar a deflagração de um incêndio florestal, a rápida detecção do mesmo constitui fator decisivo para minimizar os possíveis danos provocados pelo fogo, bem como a redução dos custos associadas ao seu combate. Mediante tal contexto,com esta pesquisa objetivou-sedesenvolvimento de um modelo de risco baseado em banco de dados e avaliar, juntamente com outras três metodologias de riscos de incêndios florestais, a que melhor representa os incêndios florestais em áreas de florestas plantadas na costa centro-norte do estado do Espírito Santo e costa sul da Bahia, contemplando as seguintes etapas metodológicas: a) Determinação das áreas com clima homogêneo; b) Estatística dos incêndios florestais; c) Cálculo e espacialização dos índices de risco de incêndios florestais: Fire Weather Index (FWI); Fórmula de Monte Alegre Alterada (FMA+) e Risco de Fogo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (RF); d) desenvolver um modelo para cálculo do risco de incêndios florestais baseado em banco de dados(RIF-Database); e, f) Escolhados modelos de riscos, a partir dos incêndios florestais catalogados pela empresa FIBRIA Celulose S.A.A metodologia adotada mostrou-se eficiente para o agrupamento de estações meteorológicas em três subzonas climáticas homogêneas para a área de estudo.Os resultados evidenciam que há duas épocas de ocorrência de incêndios florestais na área estudada, sendo que para a primeira época, a subzona 1é de dezembro a março, para a subzona 2 é de janeiro a março, e para a subzona 3 está nos meses de janeiro e fevereiro. A segunda época, para todas as subzonas, é entre os meses de agosto a outubro. O modelo FWI apresentou os melhores resultados para a subzona 1, o modelo RIF-Database apresentou resultados excelentes, é o recomendado para as subzonas 2 e 3. O modelo FWI é visto como o modelo mais próspero para a área de estudo, uma vez que, encontrou valores superiores, para uma subzona, ao modelo desenvolvido por meio da base de dados da área de estudo, entretanto, será necessário um estudo para a calibração dos seus parâmetros.

Palavras-chave: FMA+; FWI; Geotecnologias; Proteção florestal; RF; RIF-Database Risco de incêndio.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910