QUALIDADE DA MADEIRA DE CLONES DE EUCALIPTO UTILIZADOS NA PRODUÇÃO DE CELULOSE

Nome: Márcia Fernanda Carneiro
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/08/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Graziela Baptista Vidaurre Co-orientador
José Tarcísio da Silva Oliveira Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Graziela Baptista Vidaurre Coorientador
José Luis Lima Examinador Externo
José Tarcísio da Silva Oliveira Orientador
Juarez Benigno Paes Examinador Interno

Resumo: Cultivado em larga extensão territorial no Brasil, o gênero Eucalyptus ganha destaque na economia nacional, sendo a principal fonte de matéria prima para a indústria de papel e celulose. Em decorrência de a madeira ser um material complexo e heterogêneo, o conjunto das suas propriedades varia em nível de gênero, espécie, indivíduo e também em nível celular. Alguns indicadores são comumente utilizados para definir a qualidade da madeira, dentre eles, destaca-se a densidade básica. Todavia, ressalta-se que as propriedades anatômicas devem ser estudadas a fim de se obter um melhor diagnóstico acerca da adequação da madeira para as mais diversas formas de uso. O objetivo geral desta pesquisa foi avaliar as propriedades físicas e anatômicas da madeira de clones de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla utilizados na produção de celulose. Foram avaliadas as propriedades da madeira de 12 clones, aos 6 anos de idade, oriundos de testes clonais localizados em Aracruz, ES, pertencentes a empresa Fibria Celulose S.A. Foram avaliadas 5 árvores por clone, perfazendo um total de 60 árvores. Os resultados indicaram a ocorrência de variações da densidade básica na direção base-topo, na direção medula-casca e entre os clones. Tendo sido observada uma variação da densidade básica média de 0,47 g.cm-3 a 0,59 g.cm-3 para os clones dois e nove, respectivamente. No sentido medula-casca, esta propriedade apresentou valores baixos nos primeiros centímetros a partir da medula, aumentando conforme proximidade com a periferia do tronco. O clone seis apresentou a maior média de velocidade de propagação da onda de tensão no sentido longitudinal do tronco, na região do diâmetro a altura do peito - DAP, diferindo estatisticamente dos demais. Quanto a anatomia da madeira, foram observadas variações nos aspectos quantitativos e qualitativos do lenho dos clones. As correlações foram elevadas e significativas entre altura total e DAP; densidade básica e espessura da parede celular das fibras; diâmetro do lume e frequência vascular; e ângulo microfibrilar - AMF e espessura da parede celular das fibras.

Palavras-Chave: Densidade básica, anatomia da madeira, variabilidade, clones de eucalipto.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910